Siga o MyCNB  
  • Menu
  • Colunas
  • Coluna do DrPuppet #5: Power Ranking das equipes europeias de LoL

Coluna do DrPuppet #5: Power Ranking das equipes europeias de LoL

Nestes dias estão começando as ligas profissionais de League of Legends. Sem Huni, Reignover, Yellowstar e Froggen, a LCS Europe teve início.

Depois de várias faces familiares mudarem da Europa para a América do Norte, está na hora de a Europa provar novamente que consegue criar lendas.

Vamos conhecer os times e as novas organizaçoes com um Power Ranking das equipes:

1 - Origen

Trazendo PowerofEvil, que até novembro atuava pelo Unicorns of Love, o Origen está mais forte do que nunca, com uma única mudança para 2016. Depois de ter chegado à Semifinal do Campeonato Mundial de 2015, o time está querendo terminar o 1º Split como campeão. E tem condições para conseguir isso. Depois da vitória na Intel Extreme Masters San Jose, ninguém tem dúvidas de que a nova line-up promete muito sucesso.

Destaque: Powerofevil
Depois do dono e estrela do time, xPeke, mudar de titular para reserva, muitas pessoas reagiram surpresas com a decisão, principalmente por conta do bom desempenho da equipe no Mundial. Mas xPeke levou um dos maiores talentos da mid lane do ano passado para o Origen. O alemão PowerofEvil tem muito o que provar em 2016. Não só que é um ótimo jogador, mas também que consegue encaixar no time e crescer para se tornar a nova estrela do Origen.

powerofevil-origen-iemsanjose-esl-patrickstrack
PowerOfEvil reforçou ainda mais a line-up poderosa do Origen (Foto: Patrick Strack/ESL)

2 - fnatic

O fnatic sempre foi um time que fazia a comunidade se lembrar de certos cyber-atletas. Nomes fortes no cenário, que se destacaram na equipe, como xPeke e Yellowstar. Os dois lideraram o time ao topo do cenário internacional.

Neste ano, o fnatic está renovando sua identidade. Mesmo provando que a equipe tem o conhecimento necessário para achar talentos e montar lines fortes, novamente terão que mostrar que o fnatic é uma das, se não a melhor organização europeia. Desta vez, a base do elenco será os dois carries do time: Febiven e Rekkles. Completando a formação, contrataram um dos melhores Junglers do mundo, Spirit, além do Solo Top Gamsu e do Support NoXiak. Mesmo faltando a liderança do Yellowstar, o time está cheio de bons jogadores, que podem crescer ainda mais.

Destaque: Rekkles
Muitos fãs consideram Rekkles como um dos melhores AD carries europeus do ano passado. Os maiores sucessos que Rekkles teve na carreira foram com Yellowstar. Em 2016, Rekkles estará ao lado de um Support ainda inexperiente e pouco conhecido. Rekkles precisa mostrar que pode ser forte mesmo sem um Support muito poderoso. Além disso, tem a missão de ajudar o companheiro a ser um jogador de alto nível.

3 - H2k-Gaming

Depois de perder as negociações por Svenskeren para o Team SoloMid, o time não parou e procurou pelos próximos talentos europeus, contratando ex-jogadores da ROCCAT, o Jungler Jankos e o Support Vander, e o AD Carry Forg1ven. Essa line-up da H2K tem muito potencial.

No papel, essa formação pode ser uma das melhores na história do League of Legends europeu: tem, talvez, o melhor atirador mecanicamente, dois dos melhores criadores de jogadas, o Jungler e o Support, e tem dois carries, no topo e no meio, que conseguem fazer milagres mesmo com poucos recursos.

Esse time é tudo que o Forg1ven sempre quis, mas nunca teve: uma ótima equipe jogando ao redor dele. Essa pode ser a chance desse excelente jogador mostrar do que é capaz.

Destaque: Forg1ven
Conhecido como um dos, se não o melhor atirador já produzido pelo Ocidente, o atirador grego sempre foi um dos destaques em sua posição, mas nunca conseguiu ganhar uma competição. O mais perto que ele chegou foi o vice-campeonato da LCS Europe Spring 2015 pelo SK Gaming. No torneio, o SK terminou a Fase de Classificação em 1º lugar, mas perdeu para o Unicorns of Love na Semifinal. O cyber-atleta sempre mostrou estar mecanicamente acima de todos os outros atiradores da região. Provavelmente essa é a chance que ele sempre esperou ter, e, talvez, a última.

forg1ven-h2kgaming-iemcologne-esl-Helena-Kristiansson
Forg1ven é a estrela do renovado e forte H2k-Gaming (Foto: Helena Kristiansson/ESL)

4 - Vitality

O Team Vitality é uma organização francesa focada em jogos de console, como Halo e Call of Duty. Dona de um dos melhores times de CoD Advance Warfare da Europa, a organização entrou no mundo do League of Legends com a compra da vaga do Gambit Gaming na LCS Europe Spring 2016. Comandado pelo ex-treinador do Gambit (Shaunz) e com uma line-up cheia de cyber-atletas talentosos, o Team Vitality quer se tornar uma das principais equipes do cenário europeu.

A line foi construída ao redor da antiga bot lane do H2k-Gaming - Hjärnan e kaSing - e do ex-Solo Top do Gambit Cabochard. Para completar o time, foram contratados o Jungler Shook e o Mid Laner Nuckeduck. Minha única dúvida quanto a esta equipe é: como vai ser a performance de Shook? O Jungler é um jogador com enorme potencial, mostrando várias vezes que possui uma mecânica boa e que era forte. Porém, nunca foi constante. Desde o Alliance, Shook sempre focou muito em farmar e os times antigos dele eram daqueles que precisavam de uma pressão forte no early-mid game.

Destaque: kaSing
O Support foi o líder da antiga line-up do H2K e está pronto para comandar sua nova equipe. Por poder ser o principal shotcaller do time, kaSing tira das costas de Cabochard a pressão de desempenhar tal função - o que vinha acontecendo até antes da entrada do treinador Shaunz no time.

5 - Splyce

O Splyce é uma nova organização dos Estados Unidos, que adquiriu a vaga no 1º Split da LCS Europe 2016 e boa parte dos cyber-atletas que integravam a line-up europeia do Team Dignitas. A organização foi criada por um portal que lista todos os torneios de sua modalidade de esportes eletrônico favorita, que antes se chamava Follow eSports e hoje leva o mesmo nome do time. O dono do Splyce, Marty Strenczewilk, resolveu por criar o site porque se irritava toda vez que perdia um torneio de Hearthstone ou World of Warcraft e decidiu criar o calendário de torneios.

Com a experiência em gerenciar teatros, Marty teve a ideia de ter um time próprio ao invés de apenas patrocinar equipes de e-sports. O interessante dessa história toda é que ele decidiu investir em uma line-up formada só por cyber-atletas dinamarqueses. Tirando a mudança do Jungler, a equipe se mantém a mesma a mesma que obteve a vaga para a elite do cenário europeu. Vai ser bem interessante ver como Wunderwear (Solo Top) e Sencux (Mid Laner) conseguiram competir na LCS. Ambos são conhecidos por serem jogadores muito fortes individualmente e por terem se mostrado como promessas de grande talento para o futuro.

Além disso, contrataram Trashy, ex-Enemy Esports, para ser o Jungler. O cyber-atleta traz consigo um ano de experência no competitivo, que pode ajudar a sua nova equipe a achar o caminho para o Top 5 da liga profissional europeia. Contando com um staff experiente, o Splyce, mesmo sendo um time formado por novatos, tem um potencial grande para crescer e surpreender as outras equipes. Com certeza se trata de um time que vale a pena acompanhar durante o ano.

Destaque: Trashy
Trashy, o dinamarquês, que esteve atuando pelo Enemy nos Estados Unidos em 2014, está voltando para Europa. Ele é o jogador com mais experiencia do time e será fundamental para as chamadas de decisão do time. O Jungler desempenhou a função em seu antigo time e pode ser primordial para carregar o Splyce.

6 - Unicorns of Love

Após perder a grande estrela do time, o Mid Laner PowerOfEvil, o Unicorns of Love precisou remontar a line-up em funções de Hylissang (Support) e Vizicscsi (Solo Top). O novo Jungler será Diamondprox, ex-Gambit, contratado para o lugar de Gillius, que havia sido anunciado como o dono da posição anteriormente. O UoL contratou também Fox, ex-SK Gaming, para o mid e o AD Carry francês Steelback, que estava competindo nos Estados Unidos pelo time semiprofissional Team Imagine. Depois de uma fraca performance na Intel Extreme Masters San Jose, o novo time do Unicorns of Love tem muito a provar. Não apenas que conseguem ser uma equipe forte, mas os cyber-atletas precisam mostrar que são capazes de liderar o time a vitória. Uma grandes críticas a esse time é a falta de um "carry". Fox e Steelback sempre foram conhecidos por serem "clean up players", aqueles que fazem um ótimo trabalho em limpar as lutas mas que raramente conseguem se destacar.

Destaque: Diamondprox
Diamondprox tem muito a provar. Ele tem que mostrar ao público que ainda é um dos melhores Junglers da Europa. Diamondprox e Cabochard eram os "main carries" do Gambit em 2015. Essa é hora de o Jungler voltar a ser o que foi no antigo Moscow Five, quando teve a sua melhor fase, e carregar o UoL ao sucesso.

diamondprox-unicorns-of-love-divulgacao
Depois de sucesso no Moscow Five, Diamondprox quer voltar ao topo (Foto: Divulgação)

7 - Giants Gaming

Depois das saídas de Werlyb (Solo Top) e Fr3deric (Jungler), o Giants foi à procura de novos talentos para completar a line-up. Na jungle entra um cyber-atleta bem conhecido no cenário desafiante europeu: o famoso k0u, que começou sua carreira defendendo o time europeu do cloud9 (c9 Eclipse) e vem se destacando desde então, mas que nunca pôde fazer parte de um time da LCS antes por conta da idade.O Solo Top será o novato Atom, que iniciou no competitivo pelo time desafiante inglês Team Cotta Army. O jogador não possui grande fama no cenário europeu e vários jogadores estão se perguntando se ele está pronto para jogar contra os melhores do continente.

Destaque: xPePii
xPePii, que antes atuava como PePiiNeRo, sempre foi destaque na Europa e do Giants desde que o time entrou na LCS, carregando e fazendo a diferença em todas as vitórias do time desde 2014. Será que ele conseguirá repetir esse mesmo sucesso novamente?

8 - G2 eSports (antigo Gamers2)

Depois de dois anos, o time criado pelo famoso Ocelote, ex-jogador do SK Gaming, conseguiu se classificar para a LCS. O time contratou o AD Carry Emperor, que atuou pela Keyd Stars no Brasil e recentemente defendia a Team Dragon Knights (TDK) nos Estados Unidos. O Jungler Trick também entrou, forçando Kikis a ir para o top. É difícil falar como esse time irá atuar, já que Kikis irá mudar de posição, Emperor só conseguiu jogar algumas partidas pela TDK por problemas no visto e Trick não teve o melhor ano na CJ Entus, da Coreia do Sul..

Destaque: Emperor
Viajando pelo mundo e adquirindo experiência ao redor do planeta, Emperor é um dos grandes veteranos do League of Legends, jogando desde o começo do cenário sul-coreano. Ele sempre foi considerado um ótimo atirador, mas, depois da saída da CJ Entus, não conseguiu voltar à forma original. Será que o jogador achará a motivação necessária para voltar a ser o jogador que os times adversários temiam, como no passado?

9 - Team ROCCAT

Mesmo sendo o primeiro time a recontratar os jogadores da line-up de 2015, o Team ROCCAT também foi o primeiro a perdê-los. Com vários free agentes, vindos de diferentes equipes do ano passado, o ROCCAT está pronto para lutar pelo 1º lugar novamente.

A line-up tem jogadores conhecidos como Edward e Betsy, ex-Gambit Gaming, Airwaks, que atuava pela Copenhagen Wolves, e freddy122, que defendeu a SK Gaming. Completando a line-up de 2016 está o AD Carry Jebus, agora com o nick Safir e que várias equipes tentaram contratar. Com passagens por Ninjas in Pyjamas, Gamers2 e Renegades, ele é considerado um jogador muito forte. Mas o desempenho da equipe vai depender de os veteranos Edward e Fredy122 voltarem à melhor forma deles, o que faltou aos dois no 2º Split da LCS Europe 2015.

Destaque: Edward
Conhecido como o principe do Thresh, Edward adquiriu fama como Gosu Pepper no Moscow Five. Ele já tem longa carreira, mas, no último ano, com a Gambit Gaming, não conseguiu elevar o nível de jogo. O novo time do ROCCAT precisa de um líder com bastante experiência para chegar entre os melhores. Será que Edward vai voltar à forma que tinha da época do Moscow Five?

10 - Elements

Depois de ter perdido a data limite para vender o lugar na LCS, Elements refez o time com uma compilação de free agents restantes do cenário europeu, contratando vários jogadores que já passaram por equipes na LCS, como Steve, Gillius e MrRallez. Na mid lane está Eika, que competiu no Challenger Series com a equipe Gamers2. O francês se destacou no torneio com Zed e Lissandra.

Destaque: Eika
Eika é um jogador do novo Elements que demonstra ter maior potencial. Mecanicamente respeitado e ainda jovem, ele tem tudo para ser um grande jogar e deve aproveitar este Split para provar seu valor. Talvez surpreenda o público com seu talento.

-

* Alexandre "DrPuppet" Weber é analista e auxiliar técnico da equipe de League of Legends Last Kings, do Chile. Ele é nascido no Brasil, mas mora na Alemanha desde os 9 anos. Treinou o Kaos Latin Gamers (KLG) e levou a equipe à decisão do International Wildcard nesta temporada. É colunista do MyCNB desde novembro de 2015. Escreve sobre League of Legends europeu e latino-americano nos dias 15 e 30 de todo mês.
Twitter | Facebook | Youtube 


Veja também:


Tags: coluna do drpuppet, colunista15