Siga o MyCNB  
  • Menu
  • Colunas
  • Coluna do DrPuppet #16: Palpites para a final do CBLoL entre CNB e INTZ

Coluna do DrPuppet #16: Palpites para a final do CBLoL entre CNB e INTZ

O dia 9 de julho marcará a final de um Split curto, disputado e emocionante do Campeonato Brasileiro de League of Legends.

No Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, os dois melhores times da atualidade no solo brasileiro irão disputar, junto com o título, a chance de ir ao International Wildcard Qualifier, que classifica para o sonho do Campeonato Mundial.

Além do público no ginásio de 13 mil fãs ao vivo, gritando e torcendo para o seu time favorito, a televisão brasileira transmitirá o League of Legends pela primeira vez. O confronto passará no canal a cabo SporTV. É o nosso jogo querido fazendo história.

Essa série têm duas equipes fortes e promete ser uma das mais quentes que tivemos no País. A INTZ quer mais uma vez provar a todos que é a equipe mais forte do Brasil, continuando a série invicta com o Jungler Gabriel "Revolta" Henud. Do outro lado está a CNB, nova, motivada e com três cyber-atletas que foram ao Campeonato Mundial em 2014 com a KaBuM, querendo mostrar que podem ir ao Mundial novamente.

A CNB não participa de uma decisão desde o 2º Split de 2014, quando a equipe perdeu para a KaBuM na Final Regional. Hoje na CNB, Gustavo "Minerva" Queiroz, Thiago "TinOwns" Sartori e Pedro "LEP" Marcari ainda atuavam na KaBUM. Naquele ano, Keyd Stars e paiN Gaming tinham surpreendido todo mundo pela contratação de sul-coreanos e eram as favoritas para irem à final. Mas CNB e KaBuM superaram as expectativas do público e de profissionais da área.

Em 2015, tanto KaBuM quanto CNB não conseguiram encontrar muito sucesso nos torneios oficiais. Enquanto isso acontecia, a INTZ entrou em 2015 para o CBLoL e, desde então, passou a dominar o cenário.

Todo mundo achava que, por essa equipe ter sido recém-formada, não iria tão longe, mas os jogadores evoluíram e levaram o título do 1º Split de 2015. Apesar de não ter vencido a final do International Wildcard contra a equipe da Turquia, a INTZ provou que o cenário brasileiro está entre os mais fortes dos emergentes.

Desde que entrou no CBLoL, a INTZ participou de todas as finais nacionais e ainda está sem derrota no Brasil com Revolta.

A INTZ não é só uma das melhores equipes em termos de jogo em mapa, mas também sabe como atuar em time, aproveitando uma line-up forte individualmente. Neste split, a CNB é uma candidata a acabar com a série sem derrotas da INTZ.

Quando falamos de INTZ, damos o mérito para os jogadores individuais ou no jogo de mapa, que até hoje se destacava como o melhor dentro do Brasil. Mas, neste Split, a INTZ não se destacou por isso.

O time pode ter sido constante, e jogadores como Jockster e Revolta realmente se provaram entre os melhores do País, mas a equipe mostrou dificuldades, principalmente em voltar jogos em que perdiam o early game, empatando mais séries do que o normal.

Não podemos, entretanto, negar o fato que a INTZ, mostrou, em vários jogos, dominância sobre outras equipes, stompando várias vezes e terminando partidas em 30 minutos. Só que, quando a equipe começa atrás, se perde no mapa. O time segura o jogo por muito tempo, farma e não dá abertura os adversários, mas, ao mesmo tempo, não cria oportunidades para voltar para a vitória.

Se a equipe tem um ponto vulnerável é perder o early e mid game. O time parece ser perder um pouco por não estar acostumado a situações assim. Vários profissionais e os próprios jogadores comentam que, na maioria dos treinos, a equipe vence os jogos rapidamente. Com isso, não sabem lidar com essas situações nos momentos de alta pressão.

Esse é um dos pontos fortes da CNB. Se tem um time brasileiro que sabe voltar para o jogo, são os Blumers. Durante o split passado e boa parte do meio deste, a equipe sofreu com problemas na execução do jogo em suas primeiras fases, tendo que recuperar a desvantagem entre 30 e 40 minutos.

O time vai bem no late game. Mesmo mostrando desde o início deste Split uma performance muito melhor em geral no jogo ddo que no torneio passado, quando era ameaçado de rebaixamento, o destaque da CNB são as decisões no late game. O melhor exemplo foi o confronto da Super Semana contra o Keyd Stars, em que a equipe ganhou os jogos por call de backdoor e chamada de teamfight no late game.

As lutas da CNB também são ótimas, limpas e bem escolhidas. Durante a Semifinal contra a Keyd, o time conseguiu pegar vantagem durante os jogos por opções inteligentes de luta.

Esses são fatores que podem ajudar a CNB a não só aguentar o early e mid game da INTZ, mas também a contestar e a escolher as lutas certas a partir do mid game. De todo jeito, a CNB tem que tomar cuidado no começo no jogo, quando tende a cometer erros bobos e a não prestar atenção por certo tempo, o que dá abertura para a INTZ.

Pela primeira vez, podemos ter a equipe que, durante o Split, provou ser melhor do que a INTZ. Normalmente, em todas as áreas do jogo, a INTZ consegue se destacar, em comparação com os outros times.

Só que, por exemplo, na final do 2º Split do CBLoL 2015, a INTZ não conseguiu lidar tão bem com a pressão diante da paiN e fez erros que não são comuns para a equipe. A paiN soube abusar. Assistindo aos jogos de CNB e INTZ nas Semifinais deste CBLoL, parece que os Blumers estão um pouco superiores no controle de waves e visão.

Isso pode ser um ponto interessante neste final, já que as duas equipes mostraram alto nível de entendimento, não só das próprias composições, mas também das composições adversários. Elas são capazes de se adaptar ao plano no oponente e punir os erros dos inimigos melhor do que outras equipes.

Talvez as equpes brasileiras não estejam no nível de rotação ou jogo de mapa dos participantes da LCS North America ou Europe, mas, com certeza, não teve antes times tão fortes na final como neste Split.

Antes de eu dar meu palpite, perguntei a outros profissionais da área. Confira as opiniões:

Guilherme "Tixinha" Cheida: 3 a 2 para a INTZ
Dieogo "Toboco" Pereira: 3 a 1 para INTZ
Gustavo "Melao13" Ruzza: 3 a 1 para INTZ
Eric "Ericat" Teixeira: 3 a 1 para INTZ
Mateus "yetz" Vieira: 3 a 2 para INTZ
Felipe "TonelloTV" Tonello: 3 a 1 para INTZ
Eduardo "Etsblade" Souza: 3 a 2 para CNB
Rodrigo "Kalec" Rodrigues: 3 a 1 para INTZ

Nas redes sociais, convoquei os fãs a votarem também. Do total de 1.570 votos, 1076 pessoas opinaram que a CNB (69%) irá vencer a decisão e outras 494 pessoas escolheram a INTZ (31%) como campeã.

O meu palpite para a final é 3 a 2 para a INTZ. Enquanto eu concordo com o comentário que o Etsblade fez pra mim, quando perguntei sobre o palpite, de que o "a CNB é o time com o maior potencial para conseguir vencer a INTZ, pelas falhas que aprensentou", ainda tenho que concordar que, estatisticamente e pelas performances, a INTZ é a melhor equipe do Brasil.

Eles são constantes há muito tempo e vêm provando que estão sempre um passo a frente das outras equipes. Mas, é bom lembrar, se tem um time com condições reais de vencer é a CNB. Podemos esperar uma final emocionante e bem disputada.

-

* Alexandre "DrPuppet" Weber é analista e auxiliar técnico. Ele é nascido no Brasil, mas mora na Alemanha desde os 9 anos. Treinou o Kaos Latin Gamers (KLG) e levou a equipe à decisão do International Wildcard na temporada passada. É colunista do MyCNB desde novembro de 2015. Escreve sobre League of Legends europeu e latino-americano nos dias 15 e 30 de todo mês.
Twitter | Facebook | Youtube


Veja também:


Tags: coluna do drpuppet, colunista15