Siga o MyCNB  
  • Menu
  • Colunas
  • Coluna do DrPuppet #20: Como a INTZ atuou no International Wildcard

Coluna do DrPuppet #20: Como a INTZ atuou no International Wildcard

Depois de começar o International Wildcard Qualifier (IWCQ) com o pé esquerdo, a INTZ se encontrou, porém com dificuldades e derrotas inesperadas. A INTZ parecia perdida, sem a característica típica que conhecemos da equipe brasileira. Apesar desse começo inesperado, nas últimas duas partidas, contra Dark Passage e Albus Nox Luna, dois favoritos do torneio, a INTZ mostrou a performance esperada deles.

A INTZ mostrou um estilo bem orientado a jogadas de time entre os 7 e 15 minutos do jogo, pressionando a bot lane adversária o quanto possível por volta do nível 6 da bot lane deles.

Para isso, a equipe draftou um Mid Laner que consegue colocar pressão na lane por volta dos níveis 6 e 9, um Top Laner que aplique pressão por split push e um Support com habilidade de iniciar uma luta. O foco desse estilo de jogo é a habilidade de forçar lutas pequenas durante a partida, com bastante movimentação ao redor do mapa para pegar objetivos, como torres e dragões.

Vamos dar uma olhada no draft da INTZ contra a Dark Passage no 4º dia do IWCQ. A composição da INTZ tinha Shen, Rek'Sai, Karma, Ashe e Bardo. Shen consegue colocar pressão global com o ultimate dele, junto com a Rek'Sai do Revolta, enquanto no Tockers optou por uma Karma que consegue pushar o mid e fazer uma rotação rápida para a bot lane, onde se espera bastante pressão no early game com Ashe e Bardo.

O interessante dessa composição é a pressão que é possível colocar no bot. É importante assegurar o First Blood de torre junto com o primeiro dragão. Tendo esses dois objetivos, o time consegue criar uma vantagem grande no começo que dá uma base boa para "snowball" com lutas bem escolhidas no mid game.

Usando o jogo da Dark Passage como exemplo, era exatamente isso que a INTZ estava procurando: pickoffs e lutas ao redor de objetivos no mid game. Karma e Ashe têm um spike forte com os dois primeiros itens, que ajudam a executar um jogo mais ágil, que foi visível no dive na bot lane aos 9 minutos de jogo.

Algo similar aconteceu na partida do quinto dia, contra a Albus Nox Luna, da Rússia. Apesar de a INTZ ter escolhido uma composição mais focada para as partes de mid e late games, executou uma jogada similar aos 11 minutos.

Mesmo seguindo um plano de jogo similar ao da partida contra a Dark Passage, enquanto a jogada parecia como uma resposta ao movimento do time russo, a INTZ usou o momento onde Tockers conseguiu pushar a mid lane para baitar uma luta na bot lane e executá-la com um roaming do Tockers e um teleporte bem executado para garantir quatro kills na bot lane. A única diferença foi a composição utilizada.

Olhando os picks da composição da INTZ nesse jogo, é claro o foco em lutas de time por volta dos 25 e 30 minutos, tempo em que campeões como Ezreal e Vladimir terão os itens necessários para fazer o dano esperado. Só que, para executar o estilo desejado, a INTZ optou por jogar de Ekko e Bardo. Enquanto o Bardo consegue iniciar as jogadas com o ultimate Têmpera do Destino, o Ekko pode pressionar a top lane ao terminar a Força de Trindade.

A INTZ tem a preferência de pegar o ritmo jogando agressivo pela bot lane no early, seguindo com um estilo focado em macro play (jogo ao redor do mapa) para aumentar a sua vantagem até chegar ao Nexus.

A INTZ surpreendeu todo mundo com a execução dessa estratégia. Ainda não foi perfeita e eles ainda mostram problemas de finalizar jogos, mas foi, até agora, o melhor jogo em termos estratégicos no torneio. Demonstrando o poder temido que a INTZ mostrava em scrims e uma parte da transição do que aprenderam na Europa. Enquanto a INTZ for capaz de continuar evoluindo esse nível de jogo, poderá ser a equipe mais forte que o Brasil teve em um torneio internacional.

-

* Alexandre "DrPuppet" Weber é analista e auxiliar técnico. Ele é nascido no Brasil, mas mora na Alemanha desde os 9 anos. Treinou o Kaos Latin Gamers (KLG) e levou a equipe à decisão do International Wildcard na temporada passada. É colunista do MyCNB desde novembro de 2015. Escreve sobre League of Legends europeu e latino-americano nos dias 15 e 30 de todo mês.
Twitter | Facebook | Youtube


Veja também:


Tags: coluna do drpuppet, colunista15