Siga o MyCNB  
  • Menu
  • Notícias
  • Inscrição de coach será obrigatória no CBLoL; técnicos comemoram

Inscrição de coach será obrigatória no CBLoL; técnicos comemoram

O que nesta temporada era opcional, em 2016 será obrigatório. Uma nova regra anunciada pela Riot Games Brasil obrigará as equipes do Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL) a contratarem um treinador.

"Na temporada 2016 a presença de um técnico para a equipe será obrigatória, e se tornará o ponto de contato entre a organização e a Comissão de Operações de Ligas da Riot. Todos os questionamentos sobre o regulamento e assuntos, como oficialização de substituições, deverão partir do técnico e somente dele. Comunicados sobre regulamento e funcionamento da competição em geral também serão feitos diretamente para o técnico", anunciou a Riot.

Leia também: Circuito Desafiante brasileiro terá novo formato na próxima temporada (clique aqui)
Leia também: Times poderão fazer substituições entre jogos no CBLoL 2016 (clique aqui)

djoko-cnb-cblol-riotgamesDjokovic (esq.) esteve com o CNB durante a temporada 2015 do CBLoL (Foto: Riot Games)

Para algumas equipes, a presença de treinadores já era indispensável. Nesta temporada, os coaches podiam ficar com os cyber-atletas na cabine do estúdio durante a fase de picks e bans. Outros times conseguiam "se virar" sem as orientações de um profissional dedicado às táticas.

O anúncio da Riot brasileira agradou treinadores do cenário nacional, que acreditam que os profissionais deste ramo serão mais valorizados.

"Achei [a nova regra] extremamente interessante e benéfica para o cenário. A figura do coach é essencial no jogo de altíssimo nível, sendo essa obrigatoriedade justíssima. Além disso, a força de uma regra traz um respeito maior para a função de treinador, que antes era um opcional bem-vindo. Isso é também grande motivador para quem já pensava em seguir nessa carreira, que agora é, mais do que nunca, parte crucial do competitivo", opinou o treinador do CNB e-Sports Club, Thiago "Djokovic" Maia.

O treinador do INTZ.Red, Vinicius "Neki" Ghilardi, também gostou do novo regulamento, mas fez uma ressalva para os interessados em ser técnicos. "Eu gostei da iniciativa, comissão técnica é uma coisa que toda equipe tem que ter, porém, a princípio, os novos coaches terão a obrigatoriedade de evoluir para que seu time evolua também. Isso será um pouco mais puxado", disse.

neki-red-cblol-riotgamesNeki também aprovou a nova regra para a temporada 2016 do CBLoL (Foto: Riot Games)

Gabriel "Von" Barbosa ajudou o Jayob e-Sports no desempenho do time no Circuito Desafiante. A equipe liderou com folga e se classificou em 1º lugar para a série de Promoção, mas perdeu para a KaBuM.Black, de virada, por 3 a 2, e não conseguiu a tão sonhada vaga no CBLoL 2016.

Na opinião dele, o treinador tem um papel que vai além da parte técnica e tática. O profissional ajuda a manter "uma rotina séria, liderar as discussões de forma imparcial e até mesmo ajudar os jogadores com coisas fora de jogo que possam atrapalhar o desempenho deles".

Ele ainda ressaltou: "Atualmente apenas os times que realmente investiram na equipe técnica conseguiram chegar ao topo e manter um nível de excelência". Na temporada 2015, os dois campeões, INTZ, no 1º Split, e paiN Gaming, no 2º, contam com comissão técnica para auxiliar os cyber-atletas.  

A regra também agradou o Support da KaBuM.Black, Martin "Espeon" Gonçalves. Para o jogador, as equipes que querem se manter no topo precisam, não só de um treinador, mas de uma comissão técnica com analista e psicólogo. 

A KaBuM.Black está sem coach desde a saída de Ednilson "Jukaah" Vargas, atualmente no Keyd Stars, no fim da Fase de Classificação do 2º Split do CBLoL. Na opinião de Espeon, o Brasil ainda sofre com a falta de técnicos qualificados. "Ainda é muito difícil encontrar pessoas que são boas o suficiente para os times chamarem. As equipes maiores têm, mas ainda há poucas pessoas nesse setor. É uma coisa que ainda o cenário precisa crescer", opinou.


Veja também:


Tags: League of legends, cblol, djokovic, neki, cblol 2016, von