Siga o MyCNB  


  • Menu
  • Notícias
  • Por conta do RED Canids, times ameaçam não participar do CBLoL

Por conta do RED Canids, times ameaçam não participar do CBLoL

Cinco times da elite do League of Legends nacional estão ameaçando boicotar o 1º Split do Campeonato Brasileiro (CBLoL) 2016, por conta da relação entre INTZ e RED Canids, revelada nesta semana.

Diretores de paiN Gaming, Keyd Stars, g3nerationX, CNB e-Sports Club e KaBuM decidiram, em conjunto, que seus times não irão participar da competição se não forem tomadas providências com o RED Canids. Os times querem que o caso seja investigado e os envolvidos, punidos.

Constituída no fim de 2015, a empresa tem como investidores a namorada e o filho dos donos do INTZ. Dinara Guzairova é a companheira de Lucas Almeida Simon, e Luan Rodrigo Florencio de Almeida é filho de Rogério "Formiga", conforme o registro da Red Canids E-Sports Club Ltda. na Junta Comercial do Estado de São Paulo.

Na teoria, as duas organizações estão cumprindo rigorosamente as exigências da Riot Games Brasil: CNPJs, nomes e sócios diferentes. Mas há relação, nesse caso familiar, entre elas.

"Nossa decisão é: enquanto essa atitude e isso que aconteceu não forem analisados e não tiver um esclarecimento e uma punição sobre isso, nós não temos interesse nenhum de jogar", pontuou o dono do g3x, Alexandre "Gaules" Borba, em conversa com a imprensa nesta sexta-feira (8).

Leia também: Dono do INTZ indicou acordo com Riot e disse que INTZ.Red só mudaria de nome (clique aqui)

estudio-cblol-2015-cabinesEquipes cobram posicionamento da Riot no caso INTZ e RED Canids (Foto: MyCNB)

"Nós esperamos que haja uma punição que seja condizente e adequada para esse tipo de quebra de regra, que, ao meu ver, é bem grave. Por que eu acho grave? Por que que existe a regra? Ela existe para desvincular dois times vinculados. Até onde eu sei, pode ser que eles estejam dentro da regra, que é falha. Do ponto de vista do CNB, isso é antiético, porque eles estão aproveitando uma falha da regra para quebrar a regra, pois não vai existir o desvínculo. O objetivo da regra não está sendo cumprido. Pai e filho são donos, como não existir vínculo entre pai e filho?", questionou o diretor do CNB e-Sports Club Cleber "Fuzi" Fonseca.  

Nos bastidores, o mistério em torno de quem eram os responsáveis pelo RED Canids vinha irritando os donos das equipes do CBLoL. Quando foi anunciada, a organização disse que a empresa havia sido criada por um grupo de investidores, cujos nomes nunca haviam sido revelados por RED Canids, INTZ e Riot Games Brasil, sendo que os times sabem quem são responsáveis por todas as outras organizações. 

Diante da relação familiar entre as duas organizações, apesar de as equipes terem CNPJs, nomes e quadros societários diferentes, os donos dos times aproveitaram a reunião marcada anteriormente com o gerente sênior de e-sports da Riot Games Brasil, Fábio Massuda, nesta sexta-feira, na arena MAX5, em São Paulo, para cobrar uma posição sobre a polêmica. Ele saiu do encontro sem falar com a imprensa.

"A gente quer realizar um campeonato da melhor maneira possível para a comunidade, com plena igualdade, campeonato justo, que todo mundo tenha o mesmo peso e medida. Nós não queremos prejudicar ninguém e não queremos nos prejudicar", destacou o diretor do Keyd Stars André Pontes. 

Outro lado

Por meio do Facebook, um dos donos do INTZ, Lucas Almeida Simon, afirmou que a organização agiu conforme as regras e ressaltou que a Riot Games aprovou a transação. Lucas também participou da reunião na MAX5, assim como o representante do RED Canids, Caique Henriques, que, até a temporada passada, trabalhava no marketing do INTZ.

"Conversamos pessoalmente com os clubes e entendemos o lado deles. É de nosso interesse sempre cooperar com a Riot e comunidade dos esportes eletrônicos para a evolução e o crescimento do nosso cenário no Brasil. E entendemos que as notícias geradas por conta desta transação comercial servirão para a Riot afinar ainda mais as regras já existentes", escreveu Lucas na rede social.

Depois de não ser respondido nesta quinta-feira, o MyCNB procurou a assessoria de imprensa da Riot Brasil novamente, mas não recebeu nenhum posicionamento até a publicação desta matéria.

* Por Gabriel Oliveira e Ricardo Set


Veja também:


Tags: League of legends, cblol 2016