Siga o MyCNB  
  • Menu
  • Notícias
  • Em reformulação, KaBuM encerra equipe de League of Legends

Em reformulação, KaBuM encerra equipe de League of Legends

Depois de quase três anos investindo no League of Legends, a KaBuM, uma das maiores lojas de comércio eletrônico do Brasil, decidiu suspender as atividades na modalidade e reestruturar seu investimento. Os cyber-atletas da atual line-up foram liberados para negociarem com outras equipes.

Nesse período, a organização viveu bons momentos, mas, depois do título brasileiro de 2014, caiu muito de rendimento e passou a amargar resultados ruins nos torneios nacionais.

Os jogadores foram comunicados sobre o fim da equipe durante reunião nesta segunda-feira (11), na própria gaming house, em Limeira, interior de São Paulo. A conversa começou às 15 horas e durou cerca de 40 minutos. Além dos cyber-atletas, participaram da reunião o diretor de e-sports da organização, Guilherme Fonte, e a assessora de imprensa, Patrícia Lima. Dos cyber-atletas, apenas o Jungler João Vitor "Zuao" Morais não estava presente.

Decisão foi oficializada em reunião com os jogadores nesta segunda (Foto: Riot Games)

De acordo com o Mid Laner Guilherme "Vash" Conti, os jogadores já esperavam que essa decisão pudesse ser tormada. "Disseram que precisam de tempo para reestruturar as ideias em relação aos e-sports e reaprender a como lidar com essa área", explicou o jogador ao MyCNB, acrescentando que a má atuação no 2º Split do Campeonato Brasileiro (CBLoL) 2016 não pesou na decisão da diretoria.

Já na opinião do treinador e analista Hugo "Galfi" Augusto, o baixo rendimento da equipe na temporada foi fundamental na decisão da direção. "Não tenho acesso aos números, mas aparentemente o retorno financeiro da equipe não era atrativo o suficiente para a sustentação do projeto, e os resultados alcançados em ambos os Splits não foram vistos com bons olhos pelos coordenadores da empresa".

Segundo a assessoria de imprensa da KaBuM, "vai ser uma pausa no LoL. O objetivo é estudar possibilidades de ajudar o cenário dos e-sports de maneira mais geral", sem especificar se a empresa voltará a ter representantes na modalidade. "Isso ainda não foi definido pela organização".

Questionada sobre o futuro da vaga no CBLoL, a assessoria informou que "ainda estão negociando com a Riot sobre como será definida a vaga".

"Neste período em que nossa equipe se empenha 100% para avaliar novas formas de incentivo aos jogos de MOBA e demais modalidades, a organização conversou com os atuais jogadores de LoL e juntos chegamos à decisão de disponibilizá-los ao cenário. Os players terão todo o respaldo do KaBuM! e-Sports para continuarem suas carreiras e conquistarem novas oportunidades", postou a organização no Facebook.

Histórico

A KaBuM entrou para o League of Legends em setembro de 2013, com a contratação dos cyber-atletas que defendiam o Nex Impetus, que conquistou a 3ª/4ª posição no Campeonato Brasileiro daquele ano.

Na primeira competição importante disputado pela equipe, a KaBuM venceu a classificatória brasileira para a World Cyber Games (WCG) 2013. Com vitória sobre o Keyd Team, que mudaria de nome para Keyd Stars, o time conquistou a vaga para disputar a Final Mundial da competição, na China. Em solo chinês, a equipe brasileira caiu na Fase de Grupos.

kabum-contratacao-neximpetus-divulgacaoKaBuM contratou jogadores do Nex Impetus e entrou para o LoL (Foto: Divulgação)

A KaBuM chegou a seu ápice em 2014. Depois do 4º lugar na Liga Liga Brasileira - Série dos Campeões, equivalente ao 1º Split do Campeonato Brasileiro (CBLoL), cujas finais aconteceram em Fortaleza, o time de Limeira surpreendeu na Final Regional Brasileira, em São Paulo.

Às vésperas do campeonato, a equipe decidiu inverter as posições de Gustavo "Minerva" Queiroz, que era Support e jogou como AD Carry, e Daniel "dans" Nascimento, que fez o contrário. A decisão deu certo, e o time derrotou o Keyd, que tinha dois sul-coreanos na line-up e era favorito ao título, nas Semifinais. Assim, se credenciou para o confronto decisivo, no ginásio Maracanãzinho, no Rio de Janeiro.

Na decisão, a KaBuM enfrentou o CNB e-Sports Club, considerado o favorito, mas o time novamente surpreendeu e, após perder o primeiro jogo da série, emplacou três vitórias e ficou com o título. Com isso, ganhou vaga no International Wildcard, venceu com facilidade a equipe latina Pineapple Express Team (PEX) e chegou ao Campeonato Mundial, sendo eliminado na Fase de Grupos, não sem antes chamar a atenção do mundo ao derrotar o Alliance, da Europa. A vitória tirou o time europeu da Fase Eliminatória, passando o cloud9, da América do Norte, que dependia desse resultado para avançar.

kabum-mundial2014-riotgamesKaBuM foi o primeiro time brasileiro no Campeonato Mundial (Foto: Riot Games)

Para o CBLoL de 2015, a KaBuM que disputou o Mundial passou a se chamar KaBuM.Orange, porque a organização criou um segundo time, a KaBuM.Black. No 1º Split do CBLoL daquele ano, a Orange terminou a Fase de Classificação em 7º lugar e precisou jogar a Série de Promoção para permanecer na Elite. A Black terminou em 6º lugar, avançou para as Eliminatórias e perdeu na Semifinal para o paiN Gaming.

No 2º Split, a situação piorou. Os dois times da organização terminaram nas duas últimas colocações e, novamente, passaram pela Série de Promoção. Ambos conseguiram permanecer na elite, mas, com o novo regulamento, um dos times teria que ser vendido. A KaBuM.Black acabou.

Na temporada 2016, a KaBuM voltou a jogar bem e, no 1º Split, conseguiu chegar à Semifinal, mas caiu diante do Keyd Stars. Para o 2º Split, a organização passou por uma reformulação. Quatro integrantes deixaram a line-up. O novo time começou bem, com duas vitórias na primeira Super Semana. Contudo, não conseguiu triunfar em nenhuma outra série e só escapou do confronto de rebaixamento porque outros três times sofreram punições de perda de pontos.

Caso esA

A KaBuM abriu o primeiro processo judicial envolvendo equipes de League of Legends no Brasil. Em junho de 2015, a organização processou o Keyd Stars e pediu R$ 95 mil de indenização pela transferência do AD Carry André "esA" Pavezi, que deixou o time para acertar com os rivais. Na época, não existia política antialiciamento.

O caso esA se estendeu até março deste ano, quando as organizações entraram em acordo. O Keyd Stars pagou R$ 30 mil pela transferência do cyber-atleta.


Veja também:


Tags: League of legends, kabum, cblol 2016