Siga o MyCNB  
  • Menu
  • Notícias
  • Após frustrações, Espeon diz que não pretende continuar no competitivo

Após frustrações, Espeon diz que não pretende continuar no competitivo

Campeão brasileiro de League of Legends em 2013, o experiente Support Martin "Espeon" Gonçalves está abandonando o cenário competitivo. Depois de uma temporada em baixa e fora das competições, o cyber-atleta decidiu focar em outros projetos e deixar o jogo em segundo plano, não correndo atrás de novas oportunidades.

"Eu não tenho mais o mesmo tesão de jogar para começar do zero que nem eu tinha antes. Depois de tudo que aconteceu no ano passado e neste ano, o término da KaBuM.Black, as complicações no Rio de Janeiro [com o Estúdio XP] e a não ida para o Chile, eu vi que era melhor eu seguir minha vida e não ficar batendo na mesma tecla", explicou Espeon, em entrevista exclusiva ao MyCNB.

Quando a KaBuM.Black acabou, em dezembro passado, Espeon ficou sem equipe e começou a jogar o Circuito Desafiante, a 2ª divisão do cenário brasileiro, pelo Estúdio XP. O time ia bem, até que houve um atrito com a direção da organização e os jogadores saíram, passando a atuar sob a tag Overload. Eles chegaram a disputar a Série de Promoção para o 2º Split do Campeonato Brasileiro (CBLoL) 2016, mas foram derrotados pelo paiN Gaming por 3 a 0, e Espeon perdeu a oportunidade de voltar à elite, onde construiu a sua carreira.

espeon-kabumblack-promocao2015-riotEspeon decidiu seguir outros projetos e deixar LoL em segundo plano (Foto: Riot Games)

Em seguida, um convite para ir jogar no Chile reacendeu a vontade do cyber-atleta, que vinha sendo apagada dia após dia, conforme o próprio admite. Espeon disse ter criado muita expectativa, mas a equipe não concretizou a contratação, o que o frustrou. Ele não quis mencionar o nome da equipe, mas, conforme apurado pelo MyCNB, seria o Kaos Latin Gamers (KLG), que acabou contratando outros dois brasileiros, o AD Carry Renato "TheFoxz" Souza e Solo Top Arlindo "element" Neto.

"Basicamente, estava fechado de ir eu e mais um jogador. O outro acabou ficando no Brasil e tiveram que procurar outra dupla. Só que o problema, para mim, é que tinham dado a entender que estava tudo certo, então eu nem estava procurando nada no Circuito Desafiante", contou o Support.

Com os planos de ir jogar no Chile indo por água abaixo, Espeon disse ter perdido a vontade de jogar League of Legends. Ele irá agora trabalhar em dois projetos, os quais não quis revelar. "Cansei de correr atrás e não dar em nada, às vezes temos que perceber que apenas estamos correndo em círculos e passar para outra coisa".

O Support ressaltou que só voltaria a jogar caso recebesse convite de um time da elite, o que ele mesmo acredita que não irá acontecer. Questionado sobre a possibilidade de virar treinador, Espeon contou que até pensou nessa opção. "Mas também não cheguei a ter propostas concretas sobre isso e, como eu falei, decidi não ficar correndo atrás de coisas do LoL".

Histórico

Espeon começou a jogar League of Legends no fim de 2011. Um ano depois, tomou gosto pelo cenário competitivo. Depois de rápidas passagens por Influxo Gaming e Nex Impetus, o Support entrou, em fevereiro de 2013, para o paiN Gaming, onde viveu o melhor momento da carreira.

Vestindo a camisa vermelha e preta, ele conquistou o título brasileiros daquele ano com vitória sobre o CNB e-Sports Club por 3 a 1 na decisão. Com o título, o paiN se credenciou para o Wildcard, realizado na Alemanha, com a participação de mais cinco times. A equipe brasileira chegou à final, mas perdeu para o GamingGear.eu, da Lituânia, por 2 a 0.

Com o paiN, Espeon disputou ainda a Final Mundial da 7ª temporada da Intel Extreme Masters (IEM), também em 2013, em Hanover, na Alemanha. O time brasieliro ficou em último lugar do Grupo A, com uma vitória e quatro derrotas.

espeon1-bgl-2013-pain-agenciax5Support viveu melhor momento da carreira vestindo a camisa do paiN (Foto: Agência X5)

Em agosto de 2013, Espeon deixou o paiN. Depois de sair do melhor time do Brasil, à época, ele finalizou o ano defendendo o Cyber Gamer (CG). Em janeiro de 2014, tomou a decisão de criar a própria organização, o Make a Difference (MAD Gaming). Sem sucesso na classificatória para o CBLoL, o time se desfez.

Pouco tempo depois, Espeon entrou para a KaBuM. Com a organização de Limeira, o Support conquistou o 3º lugar na Liga Brasileira - Série dos Campeões, equivalente ao 1º Split do CBLoL, e depois passou para reserva, de onde viu os companheiros serem campeões da Final Regional Brasileira, o 2º Split da época.

Ele continuou na mesma organização, mas na KaBuM.Black, tendo sido responsável por montar a line-up. Depois dos dois Splits de 2015, sem muito sucesso, a KaBuM.Black foi desfeita, e Espeon ficou sem time.

Sem espaço na elite, o Support passou a jogar, nesta temporada, o Circuito Desafiante pelo Estúdio XP, que em seguida virou Overload. Com a derrota na Série de Promoção para o paiN, a equipe vendeu a vaga para a Ilha da Macacada Gaming.


Veja também:


Tags: League of legends, lol, pain gaming, espeon