Siga o MyCNB  
  • Menu
  • Notícias
  • Treinadores passam a ouvir áudio dos jogadores em jogos do CBLoL

Treinadores passam a ouvir áudio dos jogadores em jogos do CBLoL

Treinadores das equipes participantes do Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL) são só elogios a um novo recurso implantado pela Riot Games Brasil para a temporada 2017. Eles agora conseguem ouvir, em tempo real, a comunicação dos cyber-atletas durante as partidas.

"Eu acho uma iniciativa muito boa, acredito que quanto mais recurso a Riot conseguir dar para os coaches e analistas desenvolveram o trabalho deles é melhor. Quando você tem uma noção do que os jogadores estão falando dentro de game você consegue trabalhar o mindset deles para a próxima partida, o que acaba fazendo um diferencial enorme quando é uma md2", opinou o treinador da KaBuM, Vinicius "Neki" Ghilardi, em entrevista ao MyCNB.

Nas edições anteriores do CBLoL, os treinadores não tinham acesso à comunicação em tempo real, apenas recebiam o áudio das partidas na segunda-feira seguinte à rodada. Com o arquivo em mãos, ainda tinham de pegar os vídeos dos jogos e sincronizar o áudio das vozes, o que era trabalhoso.

"Agora que conseguimos ter acesso à comunicação no momento em que está acontecendo o jogo, eu ganho muito tempo. Por exemplo, na semana eu já posso estar intervindo e antes eu estava ouvindo o áudio, tentando sincronizar tudo. Eu já faço todas as anotações que eu preciso durante o jogo e aí consigo trabalhar com eles durante a semana toda o que foi apontado", disse o treinador e psicólogo do INTZ, Claudio Godoi.

cblol2017-treinadores-sala-audio-mycnbEm salas reservadas, comissão técnica consegue ouvir jogadores em partidas (Foto: MyCNB)

Na opinião de Hugo "Galfi" Augusto, comandante do CNB e-Sports Club, o novo recurso também favorece o trabalho do psicólogo da equipe, Alberto Santos. "É fundamental, é algo que a gente nunca teve, mas é vital para evoluirmos de semana para semana", destacou. "Agora, como podemos escutar, podemos consertar na medida que a gente for identificando quais foram os erros. Para nós, não só é muito bom como é essencial. Ficamos muito felizes que a Riot tenha adicionado esse recurso, porque facilita nosso trabalho".

O técnico do paiN Gaming, Gabriel "MiT" Souza, já se beneficiou do recurso. Ele ouviu a comunicação da equipe, derrotada no primeiro confronto contra o Operation Kino (OPK), no domingo (29), e decidiu substituir o Jungler Thúlio "sirT" Carlos por Rodrigo "TaeYeon" Panisa. Deu certo, e o time venceu o segundo jogo de maneira relativamente fácil.

"Eu acho que é muito positivo porque vemos lá fora [em outras ligas] e o que queremos é chegar naquele nível, então a comunicação e ter a sala do coach separada, para que você consiga trabalhar, facilitam. Você tem ideia do que aconteceu, mesmo sem ter que ouvir de terceiros, você tem sua ideia e pode se mobilizar em cima disso", ressaltou.

A sala separada mencionada por MiT foi criada também neste ano, depois da divisão do espaço antes ocupado por jogadores, comissão técnica, diretores, convidados e imprensa. Para esta temporada, a Riot fez uma separação e abriu duas outras salinhas, onde ficam os treinadores de times que estão em ação. Na outra parte ficam os jornalistas.

MiT e Galfi contaram que os treinadores já falavam  com funcionários da Riot a respeito do recurso, mas nunca chegaram a exigir a implantação dele.

"Foi surpresa. Uma surpresa também ter uma sala separada, porque antes ficávamos juntos com pessoas que vinham assistir, jornalistas, isso acabava tirando a concentração, às vezes, então tudo isso que a Riot fez foi inesperado, uma coisa muito boa para os treinadores, e está desenvolvendo cada vez mais, a cada ano. Me deixa muito feliz isso", enalteceu Neki.

Novato no CBLoL, Erick Cardoso, que treina o Remo Brave, também aprovou. "É muito bom porque eu consigo ver, principalmente do primeiro para o segundo jogo, o que o time está comunicando e de repente estar errando, então eu já tenho uma ideia de macro".

O treinador do OPK, João Pedro "Dionrray" Barbosa, teve opinião semelhante: "Isso foi algo muito bom que a Riot fez. Depois do primeiro jogo a gente consegue ter uma noção de como foi a comunicação, qual jogador estava mais para baixo, o que precisa ser mudado para o segundo jogo e o que dá para consertar de última hora".

Clique aqui para ver a cobertura completa do 1º Split do CBLoL 2017


Veja também:


Tags: League of legends, mit, neki, dionrray, cblol 2017, galfi, claudio godoi, erick cardoso