Siga o MyCNB  
  • Menu
  • Notícias
  • Após queda, KaBuM diz que vai manter time de LoL e corrigir falhas

Após queda, KaBuM diz que vai manter time de LoL e corrigir falhas

Depois do inédito rebaixamento para a 2ª divisão do League of Legends brasileiro, a KaBuM disse, em comunicado no Facebook, que continuará tendo equipe na modalidade e que está fazendo "uma profunda reformulação" para corrigir "as falhas".

Com a derrota para o ProGaming e-Sports na Série de Promoção deste domingo (19), a organização de Limeira chegou ao ponto mais baixo de sua trajetória no cenário competitivo de LoL, que teve como auge o título brasileiro de 2014 e a participação no Campeonato Mundial daquele ano. De lá para cá, a equipe viveu entre altos e baixos, com mais fases ruins do que boas.

Nesta temporada, os cyber-atletas e a comissão técnica ficaram a Fase de Classificação do 1º Split do Campeonato Brasileiro (CBLoL) praticamente inteira morando e treinando em um hostel em São Paulo, classificado pelo Mid Laner Guilherme "Vash" Del Buono como "insuportável", em razão das quedas constantes de energia e internet, das más acomodações e das festas que ocorriam no local. Ele pediu desligamento da organização e denunciou a situação em comunicado público.

Dias depois, o treinador Vinicius "Neki" Ghilardi acabou demitido pela direção da KaBuM após corroborar as críticas à organização em uma entrevista. Afundada em uma crise sem precedentes em sua história, a empresa colocou o AD Carry Alexandre "Titan" Lima como Mid Laner, depois de outros reservas da posição terem se negado a jogar as duas últimas rodadas da 1ª Fase. O time não pôde inscrever novo técnico e, por isso, recebeu multa da Riot Games Brasil.

danagorn-cabeca-baixa-kabum-cblol-2017-riot-games
Danagorn desolado após o rebaixamento da KaBuM para 2ª divisão (Foto: Riot Games)

Com uma nova peça na mid lane e quase sem treinar, a equipe empatou com o Remo Brave na 6ª Semana e perdeu para o INTZ na 7ª, terminando na penúltima colocação. Concluída a 1ª Fase, a gaming house prometida pela organização ficou à disposição dos cyber-atletas, mas já era tarde demais.

"A organização está em um processo profundo de reformulação e manterá, sim, sua equipe profissional de League of Legends. Independente do resultado de hoje, mantendo-nos ou não no CBLoL, exatamente o mesmo plano de reorganização e investimentos será executado", garantiu a KaBuM, após a derrota por 3 a 2 para o ProGaming, 3º colocado do Circuito Desafiante, na Série de Promoção. "Novidades do projeto serão divulgadas em breve".

Em resposta ao comentário de um internauta na publicação, a equipe falou em corrigir erros. "Uma profunda mudança está ocorrendo na organização com o objetivo de corrigirmos as falhas e voltarmos em altíssimo nível em muito breve", escreveu a KaBuM.

Leia também: Pela 1ª vez, três times do Circuito Desafiante sobem para o CBLoL (clique aqui)

kabum-desolado-rebaixamento-1o-split-riot-games
KaBuM perdeu a Série de Promoção e caiu para o Circuito Desafiante (Foto: Riot Games)

Entre altos e baixos

Quando entrou para o League of Legends, em setembro de 2013, ao adquirir a line-up do Nex Impetus, a empresa de comércio eletrônico KaBuM trouxe peso para o cenário brasileiro, ainda carente de apoio das grandes marcas.

Logo em outubro, a equipe conquistou o título da World Cyber Games Brasil (WCG) Brasil 2013 e se classificou para a Final Mundial, na China.

No ano seguinte, a organização de Limeira alcançou seu ápice ao levantar o troféu da Final Regional Brasileira após vencer a decisão sobre o CNB e-Sports Club. O time tornou-se o primeiro a participar do Campeonato Mundial, inclusive desbancando o campeão europeu, Alliance, na rodada derradeira da Fase de Classificaçao. Daquela formação, somente o Jungler Daniel "Danagorn" Drummond está na line-up rebaixada neste Split.

No fim de 2014, a KaBuM ampliou sua presença no League of Legends ao criar a equipe KaBuM Black, liderada pelo ex-Support Martin "Espeon" Gonçalves. 

Na temporada 2015, porém, a organização não emplacou bons resultados com nenhuma das duas lines na elite. No 1º Split do CBLoL daquele ano, a KaBuM Orange, como passou a ser chamada a equipe principal, disputou a Série de Promoção, mas se salvou da degola ao vencer o IMP e-Sports por 3 a 1. A KaBuM Black avançou para a Fase Eliminatória e conseguiu a 4ª colocação.

No 2º Split de 2015, a situação piorou, pois as duas equipes ficaram nas últimas posições da Fase de Classificação, com ambas passando pelas Séries de Promoção com vitórias. A Orange derrotou o Big Gods por 3 a 0 e a Black sofreu, mas venceu o Jayob e-Sports por 3 a 2.

Para a temporada 2016, a KaBuM não pôde manter os dois times, por conta do regulamento do CBLoL que passou a proibir "equipes-irmãs" competindo em um mesmo campeonato, mas perdeu a vaga que pertencia à Black para o Jayob por não ter repassado ou vendido o posto para outra empresa dentro do prazo estabelecido. Na época, o caso criou polêmica, porque deixou os antigos jogadores da organização de fora da elite.

No 1º Split daquele ano, o time da KaBuM voltou a jogar bem e chegou às Semifinais, mas perdeu para o Keyd Stars por 3 a 0.

Na janela de transferências, o trio Pedro "LEP" Marcari (Top Laner), Gustavo "Minerva" Queiroz (Jungler) e Thiago "TinOwns" Sartori (Mid Laner) deixou a KaBuM e acertou com o CNB. O Support Pedro "ziriguidun" Ferreira também saiu e transferiu-se para o paiN Gaming. Só o AD Carry Pedro "Matsukaze" Gama continuou.

Reformulada quase que por completa para o 2º Split, a equipe começou bem, com duas vitórias na primeira Super Semana. Contudo, não conseguiu triunfar em nenhuma outra série e só escapou do confronto de rebaixamento porque outros três times sofreram punições de perda de pontos, terminando a Fase de Classificação na 5ª colocação.

Depois do torneio, a KaBuM anunciou o afastamento do League of Legends para reavaliar seu investimento na modalidade e, em novembro, fez uma parceria com o grupo de Facebook Ilha da Macacada para a criação da KaBuM IDM, que participaria do CBLoL. Mas o negócio não deu certo e, em janeiro, perto do início do CBLoL 2017, a aliança teve de ser desfeita por conta de uma disputa jurídica pelo comando da Ilha.

Foi por conta do rompimento inesperado que a KaBuM alega que não conseguiu providenciar aos seus jogadores toda a estrutura necessária para o 1º Split. Conforme a organização, os jogadores não quiseram ficar na gaming house em Limeira, no interior de São Paulo, em razão da distância para São Paulo, onde são realizados os jogos de CBLoL. Sem um centro de treinamento definido, a equipe colocou cyber-atletas e comissão técnico no hostel que provocou insatisfação e resultou na maior polêmica da história da empresa.


Veja também:


Tags: League of legends, kabum, cblol 2017, circuito desafiante 2017